sexta-feira, 2 de julho de 2010

RESIDÊNCIA NO AR

Em 2007 publiquei pela Ed. Paulus uma pequena coletânea de poemas que amo, com aquarelas da Evelyn Kligerman, minha irmã ceramista. O livro esteve encantado por muito tempo, meio invisível. Mas hoje, quando cheguei em casa, havia um pacote em cima da mesa e era finalmente a segunda edição do livro. Acrescentaram uma orelha onde não havia, o livro ficou mais encorpado. O tema é a liberdade, mas de uma maneira bastante sutil. :

RESIDÊNCIA NO AR

Não sei o que me convém,
se uma casa segura,
janela, quartos e trincos
ou se as portas todas abertas,
se residência no ar.

Não sei o que me convém,
se uma casa encerada,
a família pro jantar,
ou se ventania na estrada,
se residência no ar.

Não sei o que me convém,
se uma casa caiada
com horta, jardim e pomar
ou se andarilha no mundo,
se residência no ar.


Aqui estou, em casa, ancorada no azul.

3 comentários:

  1. AH! Eu queria ter pés plantados no chão mas também residência no ar...beijos geminianos.

    ResponderExcluir
  2. Prezada Roseana,
    Hoje, ocasionalmente, tive o prazer de ler este poema. Achei belo e leve. Muito me falou... me vi identificada. Parabéns!
    Sou apreciadora de palavras e sentimentos.
    Rosane Albuquerque
    http://idade25.blogspot.com/

    ResponderExcluir