segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

SOL E FELICIDADE

A casa está cheia. Sobrinhos do meu marido vieram da Espanha com seus filhos e meu filho, sua mulher , meu neto. O sol se derrama pela casa e de longe escuto vozes de criança na praia. Estão todos na praia e da cozinha cheiros maravilhosos sobem até o estúdio onde trabalhamos. Então, embora eu não goste de calor, sol e felicidade se entrelaçam. Amanhã é o último dia do ano mas no dia primeiro de janeiro de 2014, tudo continuará igual: nossa construção diária do cotidiano, da harmonia entre todos os que amamos, das pequenas felicidades que são como borboletas em trânsito, há que sorvê-las. 

domingo, 29 de dezembro de 2013

EM SAQUAREMA OUTRA VEZ

Aqui estou , em Saquarema outra vez. Sair da montanha , sem internet, sem telefone na minha casinha, é passar de um planeta para outro. Lá, o mercadinho mais perto está a 3km da casa. Sendo assim há que pensar bem nas compras porque não basta ir até a esquina. Passamos dias lindíssimos com filhos e netos e sobrinhos que vieram da Espanha. Passamos meu aniversário com um almoço num hotel tradicional , o primeiro de Mauá, O Hotel Buller. Há no Hotel um museu da memória de Mauá e é emocionante. Foram muitas vivências cheias de emoção. E chego e o mar já me invade com seu cheiro maravilhoso mas o calor é grande e eu na verdade não gosto de calor. Mas minha sobrinha espanhola me pergunta: _você não tem um leque? Digo que sim , mas não me lembro de usar, não tenho a cultura do leque. E ela me diz: _ pois todas nós, mulheres, na Andaluzia usamos. E passo a usar meu belíssimo leque espanhol, que todo feliz, radiante, me diz vento.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

ENCONTRO EM DUQUE DE CAXIAS

Foi lindíssimo ontem o encontro em Duque de Caxias. Encontros. Roger Mello e Carolina, minha editora da Rovelle, José Prado, Andrea do nosso Clube de Leitura e conheci Fábio Sombra.
Crianças e adolescentes fizeram apresentações que comoveram a todos. Regina Crivano , que na chegada nos levou a um restaurante ótimo, estava brilhando, radiante. Arnaldo, o taxista que me levou , e depois me trouxe até Resende, disse que nunca teve um dia melhor nas ua vida de taxista.
E uma escola de Caxias já vai agendar um dia na minha casa em Saquarema em janeiro.
Depois do almoço vou para Mauá. Chove muito aqui em Resende e soube que ontem o Rio ficou debaixo da água. É muito triste.Espero que todos os cariocas , amigos do face , estejam bem.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

AUSÊCIA

Vou agora cedinho para Duque de Caxias, um Encontro de Leitura e de lá vou para Resende e amanhã para Mauá. Na minha casinha da montanha não tenho internet, portanto ficarei ausente por um tempo. Escreverei quando puder, quando for até o ateliê da minha irmã, pois lá sim, há internet.
Não se esqueçam de mim!
E para me despedir , mais um poema do livro Rios de Alegria:

Alfabeto

É muito útil estudar
o alfabeto das flores miúdas
esquecidas na beira dos caminhos.
Pequenas florezinhas amarelas
como mensagens perdidas.
Elas dizem sim à vida, ao Sol,
à chuva, sim ao amor que nasce
todos os dias, invisível,
e com sua luz ilumina a Terra.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

RIOS DA ALEGRIA

Ainda do meu livro Rios da Alegria da ed. Moderna:

FELICIDADES

Pequenas felicidades
passeiam por nossos dias
como joaninhas na palma
da mão,
como um desenho de orquídea
trazido pelo vento.
Para não desperdiçá-las
há que estar sempre atento,
caminhar vagarosamente
pelos contornos da tarde,
encher os bolsos com a areia
dourada do tempo.

Amanhã viajo bem cedinho, vou para Duque de Caxias e de lá para Resende-Mauá ao encontro dos meus filhos e netos.

domingo, 8 de dezembro de 2013

TRIBO

Uma vez, numa conferência do Saramago estava presente, ele disse que no mundo há uma tribo da sensibilidade e essa tribo se reconhece sempre. Achei a ideia linda e fiaz um poema que está no livro Rios da Alegria, ed. Moderna:

TRIBO

Há uma tribo que sonha
e nunca esqueceu as asas.
E acredita em coisas simokes,
sol, pão, chuva, beijo, lua.
E mesmo quando o sangue
tinge as tardes e os rios,
e as palavras se transformam
em veneno, pedras e facas,
alimenta as sementes da esperança
com lágrimas e pequenos gestos limpos
para que virem árvore.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

MERGULHO

Dizem que um mês antes do aniversário a gente entra num inferno astral, não sei bem o que isso quer dizer, mas neste dezembro mergulhei profundamente para dentro , refiz percursos da minha vida, senti falta de amigos que se foram, senti falta dos pais. De certa maneira fiz uma viagem sujeita a ventos e tempestades. Saber o que realmente é vital para mim, o que realmente quero, é muito importante para que eu não mande sinais trocados para o Universo. Quero todos os meses passar uns 10 dias na minha casinha da montanha, perto dos netos e filhos. Quero viajar menos a trabalho e que meus filhos Guga Murray e Patricia de Arias levem o Livro-Concerto que tão maravilhosamente fazem juntos, em meu lugar. Quero cada vez mais consumir menos e chegar o mais perto possível do essencial.

E Nelson Mandela nos deixa órfãos de paz e beleza.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

HUMANOS

Ossos de 400.000 anos nos falam de outros humanos que não são os neandertais. Muitos humanos, diferente de nós, de uma maneira que nunca saberemos, habitaram este planeta e desapareceram deixando-nos em nossa solidão barulhenta e destruidora. Por que sobrevivemnos e os outros não? Será que por sermos tão violentos? Fantasio: eles, os outros, eram mais dóceis, mais compassivos, menis assassinos e então se foram , deixando para os cientistas um quebra-cabeças de DNAS. Imagino um grupo destes outros,  reunidos, contando histórias dentro da noite escura e perigosa. Não sei se já havia fogo, sou muito ignorante, mas se houvesse, a fogueira estaria acesa, e uma mãe tão jovem amamentaria o seu bebê, sem saber que sua espécie desaparecia.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

NOITE

Acordo ainda dentro da noite. Abro as portas do estúdio para que entrem as estrelas, a música do mar. A temperatura é perfeita. Nem os galos acordaram ainda. E não se adivinha a gestação da manhã. Gosto tanto deste momento único quando todos dormem, a rua inteira, o bairro, a cidade.E eu tão pequena existindo dentro da noite, carregando meus sonhos

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

AINDA DEZEMBRO

Ainda dezembro: Que cada um construa o seu dezembro e não se deixe sugar pelos shoppings , não se deixe abduzir pela histeria coletiva, mas saboreie as flores vermelhas, os amigos, os filhos, netos, os amados, os amantes, as lembranças, o Peru de Natal do Mário de Andrade, recheado com farofa. Que uma surpresa espreite em cada esquina e curva de dezembro. Para mim o nome do mês é tão sonoro que enche minha boca de castanhas e frutas raras. 

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

A ESCOLHA DE SOFIA

A Escolha de Sofia é um grande filme. Faz muitos anos que o vi num cinema, eu era jovem, a Meryl Streep também, lindíssima. Eu me lembrava de cada mínimo detalhe. Mas quando suas confissões ao jovem escritor a levam para Aushwitz, tive que desligar, não aguentei ver.

Ontem, num debate sobre política internacional a pergunta crucial era : " O mundo está menos perigoso?"
Deixo a pergunta no ar.

sábado, 30 de novembro de 2013

TÚNEL DO TEMPO

Entro no túnel do tempo. Eu morava numa chácara na Tijuca, R.J, no começo da década de 70. No porão tínhamos um estúdio. Nesta noite tínhamos dois convidados: Vitor Assis Brasil e um americano chamado Kenny. Franklin da Flauta chegou com sua namorada, Monica, uma mulher interessantíssima, linda, que me cativou desde o primeiro momento. Talvez eu estivesse grávida do meu filho Guga. Monica ficou minha amiga-irmã até que a vida fez uma curva e nos perdemos. Ontem ela me achou e me diz: "Minha memória é feita de flashes e sensações". Mas eu me lembro até das roupas que ela vestia, dos seus trejeitos de 40 anos atrás, e tenho que contar para ela.Ela me diz: _"Eu fiquei muito esquisita." E eu retruco: _"Ficou, não, sempre fomos esquisitas, por isso nos amamos." Dentro de alguns dia nos encontraremos. E o tempo será abolido.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

GAIVOTAS

Gaivotas

Gaivotas em sua rota de sal e ar.
Gaivotas mergulham,
abre-te-sésamo
e abrem o mar.

in O Mar e os Sonhos, ed Lê

Fui bem cedo ao mar. Por pura contemplação. Até virar espuma, até virar voo, até virar gaivota.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

LIVROS NOVOS

Alguns livros novos estão entrando em produção. Hora da escolha dos ilustradores.Meu livro de contos , Exercícios de Amor, para jovens e adultos, que sairá pela Lê, não terá ilustrações. Ainda não vi a capa, não vi nada. O livro sairá em janeiro.
Poço dos Desejos, que sairá pela Moderna, foi avaliado por mim como um livro infantil e parece que a editora o está considerando um livro juvenil e quer ilustrá-lo em preto e branco. Não digo nada, a poesia não tem fronteiras, apenas surpresas.
E o livro de poesia que entreguei ontem para a Lê, para jovens e adultos, me diz claramente que Elvira Vigna deveria ilustrar, é o meu desejo.
Será que estou de férias? Tenho vários originais já começados , mas aguardo o sinal verde das editoras.Então estou de férias! Mas não é bem assim. Escrever é o que me coloca em meu centro. Sem escrever eu quase me estilhaço. A poesia me amarra em mim mesma. É absolutamente necessária, ser poeta é meu ofício.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

DEZEMBRO

Nós, humanos, precisamos fazer marcas no tempo para suportar a imensidão do tempo e nossa estadia tão breve na Terra. Inventamos datas, festejamos aniversários, Natais, formaturas. E ao chegar dezembro refletimos sobre o ano que acaba , sobre nossos desejos para o próximo ano. Farei 63 anos em dezembro e tenho bem claro o que quero. Cada vez mais necessito de silêncio e valorizo o ouro puro das amizades. O que me faz mais feliz é doar felicidade a quem está perto de mim. A felicidade que posso dar ao outro é meu maior tesouro. Preparo todos os dias uma linda mesa de café da manhã para minha caseira e meu jardineiro. Eles que limpam minha casa e cuidam do meu jardim, ao chegar encontram um belo desjejum. Cuido muito de todos os que me cercam. A minha casa está aberta para os amigos, as escolas, professores, a quem quiser vir me visitar e conversar. Não quero nada além do que tenho. E gostaria muito que no ano que vem houvesse mais paz, menos desperdício, menos hipocrisia.E já estou pronta para receber dezembro que me traz tantas alegrias e flores.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

ESPERANDO O SOL

Amo a chuva, mas já gostaria de um raio de sol e se não fosse pedir muito, quem sabe um arco-íris. Tenho uma receita no livro Fio de Lua & Raio de Sol que fiz junto com a Patrícia de Arias. Os meus poemas são os de sol.

RECEITA DE ARCO-ÍRIS

Junte o fim de um temporal
(guarde seus trovões e raios
debaixo da cama)
com três raios de sol.
Misture bem na peneira do céu,
como se misturam sal e açúcar.
Deixe que as sete cores façam
o mais belo dos caminhos,
e então, na ponta dos pés
faça uma pirueta, uma careta,
e receba os aplausos.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

CACHORROS E GATOS

Ler um gato é muito diferente do que ler um cachorro. O gato é um texto que se esquiva, se esconde entre duas auroras, na fronteira entre o mágico e o irreal. O gato é sinuoso, seu texto é macio, é poesia, nunca se deixa apreender por inteiro. O gato é escorregadio, vive nas entrelinhas.
Para ler um cachorro não se precisa de óculos especiais. Seu texto é escrito em maiúscula, diz claro e em bom tom o que pensa e a que veio.
O cachorro é prosa, o gato é música, é poesia.

A UN GATO

No son más silenciosos los espejos
Ni más furtiva el alba aventurera:
Eres, bajo la luna, esa pantera
Que nos es dado divisar de lejos.
Por obra indescifrable de un decreto
Divino, te buscamos vanamente:
Más remoto que el Ganges y el poniente,
Tuya es la soledad, tuyo el secreto,
Tu lomo condesciende a la morosa
Carícia de mi mano. Has admitido,
Desde esa eternidad que ya es olvido,
El amor de la mano recelosa.
En otro tiempo estás. Eres el dueño
De un ámbito cerrado como un sueño.

Jorge Luis Borges, Obra Poética, Emecé Editores.

domingo, 24 de novembro de 2013

VIOLETA PARRA

Vi o filme "Violeta vai para o céu" sobre a chilena Violeta Parra que fez as canções mais lindas, os poemas mais lindos , recolheu o folclore do seu país e teve uma vida impressionante e trágica. O  filme é belo. Recomendo. O suicídio sempre nos desorganiza, nos deixa na beira do precipício e é um tema bastante complicado que as pessoas evitam, as famílias evitam. Violeta se suicidou. Como alguém que escreveu "Gracias a la vida" teve coragem de desistir da vida?

Meu novo livro Poço dos Desejos que sairá pela ed. Moderna já entrou em produção. Que cada um pense num desejo forte e verdadeiro. Desejos são perigosos, pois se realizam. 

sábado, 23 de novembro de 2013

VERDE E VERMELHO

Notícia em verde e vermelho:
O flamboyant do jardim já deu suas primeiras flores. É ele quem me anuncia dezembro, um mês sempre tão lindo e cheio de presentes. Chove e o jardim está perfumado de terra molhada e algas, está tão úmido que é quase se fosse uma pasta, daria para passar no pão. É um perfume inebriante. E um sábado maravilhoso para todos! 

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

TEMPO NUBLADO

Hoje, depois do calor infernal de ontem, o dia amanheceu macio e nublado, fresco, o jardim exalava felicidade e eu também. Não gosto de calor, minha pressão fica baixa e penso que vou definitivamente virar uma lesma com a inteligência de um alface. Basta um sopro de brisa para que eu me reanime e tudo comece a funcioar de novo dentro de mim.
Ontem vi um documentário duro sobre a matança de rinocerontes para a retirada de seu lindo chifre. É o mal em estado puro. Eles são tão belos e ainda por cima me levam de volta ao Sítio do Pica Pau Amarelo.Será que não há nenhuma campanha contra esta barbaridade?
Mas vamos fechar este post com alguma felicidade, me ajudem, quem sabe os cientistas tenham descoberto que os homens estão a um passo de dar um salto quântico em suas mentes e logo nenhum homem matará outro homem. E ainda não estamos sabendo.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

TROCA

Ao lado do ateliê da minha irmã em Visconde de Mauá há uma loja muito interessante, a loja da Edith. Ela vende uma linha de perfumes que amo, com cheiro de mato e é só o que uso, na verdade são águas de cheiro. Desta vez quando fui comprar o meu perfume de sempre , pois o outro já estava acabando, a Edith me disse: "vamos fazer uma troca? Troco o perfume pelos teus dois livros , o Diário da Montanha e o Abecedário de Frutas. E ainda tive troco! Achei o máximo trocar poemas por perfume, ambos são voláteis...

EXISTÊNCIA

Será que o destino
é um mapa
e se conseguir decifrar
o que está oculto,
os rios subterrâneos,
as pegadas no chão
de terra,
poderei responder ao poeta
"existirmos, a que será
que se destina?

Será que o destino
é uma teia
e somos nós as aranhas
e fabricamos as esquinas,
as bifurcações
com nossa saliva?

Basta seguir a seta
onde se lê a palavra
vida?

in Diário da Montanha, ed. Manati, Prêmio O Melhor de Poesia de 2013, F.N.L.I.J

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

PARA ENCONTRAR

No dia da Consciência Negra dedico este post ao Salgado Maranhão, poeta negro contemporâneo, maravilhoso, com reconhecimento pleno. Dedico também ao meu cunhado Jesus, antropólogo negro, estudioso das africanidades (palavra inventada ou já existe?), com uma cultura absurda. E façamos um jogo de memória:
Quantos astrônomos negros você conhece? Quantos químicos? Quantos médicos? Quantos professores universitários? Quantos engenheiros,biólogos, cientistas? Diplomatas? Quantos cineastas? Inventores? A lista é longa, por favor, me ajudem e completem.
Mas quantos zeladores, porteiros, caseiros, empregadas domésticas, auxiliares de enfermagem, guardas de trânsito, bombeiros, PMs negros vemos por aí?
Nenhum preconceito contra nenhuma profissão.Todas as profissões são absolutamente dignas. Mas existe um abismo entre negros e brancos em nosso país e só há uma saída: a educação. 

terça-feira, 19 de novembro de 2013

POEMA PARA GABRIELA

Gabriela é o sonho mais sonhado
em cada raio de sol
em cada som do luar.
Gabriela é gente e é lugar
onde o amor, onda imensa,
vem desaguar.
Gabriela nasceu com poeira
de estrelas nos olhos
e nas mãos um feixe de sementes
de felicidade.
Gabriela é o sonho mais sonhado
no âmago da noite
na primeira gota de luz.

da vovó Roseana para a neta Gabriela

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

GABRIELA AKEMI

Fiquei desaparecida por alguns dias pois no dia 12 à noite, em Saquarema fui avisada de que minha nora Daniela entrava no hospital em Resende, em trabalho de parto. O bebê estava adiantado por duas semanas . Eu não quis avisar a ninguém. Saí no dia seguinte bem cedo ao encontro da minha neta que nasceu às 22.30 do próprio  dia 12. Gabriela foi muito sonhada e esperada. Por muitos anos ela foi esperada. Ela é lindíssima. Não me canso de olhá-la. E minha mãe que nos últimos dias nos visitou (a quase todos da família) em sonhos, hoje nos fez uma surpresa: alguém mandou a sua foto com meu pai para a minha irmã. Eles estão jovens e lindos. Uma foto que ninguém conhecia. É como se dissessem: estamos vendo a Gabriela.
André me pediu para ir com ele para Mauá, pois estava muito triste por ter que se separar da sua filhinha por três dias, mas tinha que abrir o restaurante. Fui então para a minha casinha do bosque. Não quis avisar a ninguém , pois sábado teríamos nosso encontro do Clube de Leitura para discutir AS BRASAS do Sandor Marai. Como eu poderia faltar ao meu próprio Clube? Mas Juan cuidou de tudo e Maria Clara foi a mediadora. Tive medo de avisar. E se as pessoas desistissem de ir? Mas aqui estou, em Resende, com os netos e internet. Volto para Saquarema na quarta.E envio muito amor para todos.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

TIA ALICE

Eram três irmãs inseparáveis ao longo de toda uma vida. Alice, Berta, Cecília. Berta, minha mãe e a tia Cecília, já se mudaram para as estrelas com malas e malas abarrotadas de histórias e amor. Tia Alice me recebeu em seu lindo apartamentozinho em Teresópolis, onde com 86 anos, mora sozinha, cozinha magnificamente, vai ao banco, faz compras, e lê muito, é uma leitora. Parece uma menina de 20 anos, sempre aberta para as novidades e para o mundo. Ela habita as minhas mais remotas lembranças, pois quando eu tinha uns 3 anos me levava para passear. Ela carrega a memória da minha mãe criança por isso além de ser linda, ela é muito preciosa . Que viva até 126 anos fazendo as suas inesquecíveis tortas de legumes!

Voltei para casa e a internet desapareceu por dois dias. Mas agora estou aqui.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

OFICINA LETRAS DO BARRO


Estou em Teresópolis. Hoje à tarde vamos, eu e minha irmã ceramista Evelyn Kligerman, para a E.M Professora Aclimea , no bairro São Pedro , dar uma oficina de barro e poesia. As crianças fabricarão azulejos com frutas para fazer um pequeno mural na escola, inspirados no meu livro Abecedário (Poético) de Frutas da Ed. Rovelle. A escola, onde estivemos ontem para o Livro-Concerto Fio de Lua & Raio de Sol com meu filho e minha nora, é absurdamente espetacular. As crianças escolhem o que vão estudar. O horário é integral. Agora escolheram estudar os trens e então paralelamente pesquisam Villa Lobos e seu trenzinho Caipira. Estudam mitologia grega. Leonardo Da Vinci , estudam vulcões, vão estudando o que lhes interessa!!! Eles fazem uma horta orgânica, um lindo jardim. É uma escola irmã da E.M.Hermann Muller, em Joinville E se todas as escolas do Brasil fossem assim, o que aconteceria?  



























































































































































































































































































































terça-feira, 5 de novembro de 2013

EM MAUÁ

Aqui em Visconde de Mauá está chovendo muito, o dia inteiro. Depois de seis dias dentro da mata sem celular nem internet volto para o mundo. Para falar no telefone eu tinha que ir até o Babel Restaurante , perto da minha casinha, mas longe o suficiente para me deixar fora do ar. O livro que estou lendo combina com tudo à minha volta: é uma linda história de amor com muitas outras histórias de amor dentro dela. Uma das histórias é a de um fotógrafo que se apaixona loucamente por uma moça linda que foi emparedada por seu marido e ficou perfeita até seu corpo ser descoberto por acaso 70 anos depois. Era o fotógrafo oficial da cidade e ele fotografava os mortos para a polícia. O livro, que leio pela terceira vez, é El Jinete Polaco do escritor espanhol Antonio Muñoz Molina e é uma obra-prima.
Hoje estou aqui no ateliê da minha irmã e durmo aqui. Amanhã vamos para Teresópolis. Dia 7 meu filho Guga Murray e minha nora Patricia de Arias estarão no palco do SESC Teresópolis às 10hs da manhã. Eu e minha irmã Evelyn Kligerman estaremos em alguma escola cujo nome não sei, fazendo um encontro da poesia com o barro.
E dia 9 volto para Saquarema. Não se esqueçam de mim!

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

MAUÁ À VISTA

Amanhã vou para Resende-Mauá ver meus filhos e neto. Minha casinha do bosque me espera. Vou ler pela terceira vez o livro El Jinete Polaco do Antonio Muñoz Molina, por quem sou apaixonada e que acaba de ganhar o Prêmio Príncipe de Astúrias. É um livro que pede silêncio e o sussurro das folhas.

Ficarei fora por algum tempo, já que de lá vou direto para o Sesc Teresópolis onde a família vai trabalhar unida. Guga Murray, meu filho e Patricia de Arias, minha nora, dia 7 com um Livro-Concerto e não sei que surpresas Patricia prepara. Dia 8 eu e minha irmã Evelyn Kligerman, ceramista, estaremos em alguma escola, ela vai dar uma oficina "Letras do Barro" e eu vou conversar com os leitores. 

Escreverei onde tiver internet.

domingo, 27 de outubro de 2013

UM ASSUNTO AQUI E OUTRO ALI

Começo o domingo com o sol nascendo atrás da Igreja, atrás do morro, a praia imensa e vazia, apenas um pescador. Beleza em estado absoluto.

O ser humano não consegue viver sem um bode expiatório? Sempre a culpa é do outro? Agora é a vez dos ciganos, a segunda vez em que são um alvo tão atacado. Hitler já os odiava e matava e agora a situação deles é terrível na França. Odiados porque misteriosos, Lorca os amou e cantou nos poemas mais maravilhosos e evoco sua música para protegê-los

A GUITARRA

Começa o pranto
da guitarra.
Quebram-se os copos
da madrugada.
Começa o canto
da guitarra.
É inútil calá-la.
É impossível calá-la.
Chora monótona
como chora a água,
como chora o vento
sobre a nevada.
É impossível
calá-la.
Chora por coisas
distantes.
Areia do Sul quente
que pede camélias brancas.
Chora flecha sem alvo,
a tarde sem manhã,
e o primeiro pássaro morto
sobre o ramo.
Oh! guitarra!
Coração malferido
por cinco espadas.

Federico García Lorca, Poema do Cante Jondo, in Obra Poética Completa, tradução de william Angel de Melo, ed. UNB 

Meu filho Guga Murray está hoje em Salvador com uma oficina de música para professores do Ensino Fundamental e um Livro-Concerto. Guga, quando morava em Granada tinha amigos ciganos e quando traduzi o espetáculo Pequeno Poema Infinito, para o José Mauro Brant, Guga tirou a dúvida de algumas palavras com seus amigos ciganos. Gostei mito de fazer uma tradução artesanal, apenas com dicionário de papel, a consultoria do Juan e dos amigos do Guga de Granada. Os textos eram lindíssimos e eu quase sufocava de emoção. Não há nada mais belo do que um poema do Lorca.

sábado, 26 de outubro de 2013

DIA DAS BRUXAS

Passei um Dia das Bruxas no Canadá, em Toronto em 1972, na casa de uns amigos que tinham dois filhos de uns 7 e 8 anos. Participei da construção da abóbora. O bairro era lindo, só de casas e parecia um filme ver aquelas crianças correndo fantasiadas de bruxas e fantasmas correndo para lá e para cá pedindo doces. É uma festa deles, o Haloween nunca pegou de verdade por aqui, é uma festa de tradição celta. Milhares de mulheres foram mortas e bem queimadas por bruxaria na Idade Média, a Inquisição tinha Manuais para ajudar a reconhecê-las. Mas adoro a figura das bruxas e suas vassouras voadoras , um meio de transporte espetacular, porque silencioso e não poluente. Ser mulher é ser um pouco bruxa, já que nascemos sabendo tantas coisas, somos intuitivas e curamos com nosso amor.Peço então que ajudem a divulgar nas escolas o meu e-book A Bruxa da Casa Amarela, ( no site www.roseanamurray.com) a história de uma bruxa jardineira que inventa flores maravilhosas e vive entre dois mundos. As ilustrações do Caó são muito divertidas. Conto com vocês!

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A BRUXA DA CASA AMARELA

Acordei e estava ainda escuro.A lua ainda no céu.  Tomei café na varanda . É lindo ver amanhecer. Abro o computador um pouco ansiosa, pois o Gabriel, o menino que cuida do meu site iria colocar o meu e-book A Bruxa da Casa Amarela hoje. Mas ele primeiro me enviou a prova e eu já disse que sim, está tudo certo, então a qualquer momento meu e-book entra no ar.
Na verdade o texto teria que ter sido publicado por alguma editora, mas como estavam demorando muito para me responder, eu tive a ideia de fazer o livro digital para que as escolas pudessem usá-lo.Assumi os custos e é um presente para meus leitores. Adoro os desenhos do Caó, são lindos e divertidos. Ficou muito bom, eu amei, agora é só esperar um pouco.A minha amizade com o Caó vem de longa data. Nos conhecemos na casa de uma amiga em comum na Bahia, na praia de Ipitangas (acho que é esse o nome) e ele dirigia um jipe muito original que ligava com um palito de sorvete. Ele me mostrou seus desenhos e escrevi a historia do jipe que foi publicada pela ed. Memórias Futuras que se desmanchou. O livro foi para a ed. Moderna e infelizmente Caó não fez as ilustrações da segunda edição, que saiu com os belos desenhos da Helena Alexandrina. O livro existe e se chama Carona no Jipe. Agora Caó está fazendo um filme sobre a nossa Casa Amarela que já virou personagem.
Kira, minha neta de estimação, me deu a ideia da história do e-book e fez o desenho de abertura. Ela agora tem 8 anos e mora em Barcelona. Ela também está esperando para mostrá-lo na escola . Bom, isso é magia, que várias crianças possam ler o livro ao mesmo tempo em vários lugares!   

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

ESPELHO DO CORPO DO OUTONO

Meu corpo está no outono. Farei 63 anos em dezembro. Sinto que minha alma cresce enquanto meu corpo diminui. Alguns sentimentos pertenciam mais ao corpo: raiva, por exemplo. Tenho menos raiva . O perdão vem mais fácil, não tenho que lutar com ele , talvez já raramente me ofenda. Isso me faz bem, me deixa respirar. Sei que diante da tela em branco, diante de uma folha em branco, sempre conseguirei escrever alguma coisa. Já não duvido tanto de mim. Meu corpo está no outono e o outono é belo em sua melancolia, em suas folhas que o vento espalha, talvez este desfolhamento seja a minha poesia voando por aí.

ESPELHO DO CORPO DO OUTONO

Você já viu a mulher
como carrega o corpo do outono?
Primeiro ela mistura o rosto e a calçada
depois tece um vestido com os fios
     da chuva
as pessoas
     na cinza da rua
são brasa apagada.

ADONIS,  in Poemas,Cia das Letras

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

ERA UMA VEZ

Uma vez, não sei quanto tempo faz, autores e ilustradores foram chamados ao Jardim Botânico para fazer uma atividade com Escolas Municipais. Sentamos em volta de alguma árvore maravilhosa. Li meu livro Uma História de Fadas e Elfos, da ed. FTD, lindamente ilustrado pela Elvira Vigna. É uma história estranha, nem sei se gosto dela. Conversamos, e quando acabou e já nos dispersávamos, um menino grande, deveria ter uns 12 anos, se abraçou com a árvore , fechou os olhos e disse baixinho: _Eu sou o elfo.
Este é o poder curativo das histórias, da literatura. Eu sou o outro, não importa se elfo , elefante ou ser humano.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

VERÃO

Chegou o verão antes do verão. Como um convidado que envia suas bagagens antes da data marcada para a sua presença. Não é só o calor, é a qualidade do ar, o cheiro do ar, a tonalidade do canto dos pássaros e a luz. 
Em nosso estúdio escolhi a janela que dá para as montanhas, mas num primeiro plano há o casario, os telhados. Gosto das telhas mais escuras, mais velhas, cheias de limo. Nelas meu olhar descansa por alguns instantes . Gostaria de percorrer suas texturas como os gatos. Agora sopra um vento ameno, mais frio, vem do mar que está nas minhas costas.  Também o ritmo do canto do mar muda no verão. A música do mar já se misturou com meu sangue, com certeza tenho salitre em minhas veias e alguns restos de madeira velha de barcos .
Como não gosto de fotografar, escrevi a fotografia deste instante.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

NOTÍCIA MARAVILHOSA

Ontem li no O Globo uma das notícias mais lindas que já caiu nas minhas mãos: O pedreiro Evando dos Santos, analfabeto até os 18 anos, fundou uma biblioteca na Vila da Penha , Rio de Janeiro, com 55 mil livros. Mistura de filósofo, poeta , vidente, sonhador , mantém a biblioteca com seus mínimos recursos. Seu discurso é tão lindo que deveria ser chamado para dar palestras de formação de leitores. Por favor, meus leitores, busquem a matéria! Secretarias de Educação, façam contato com este homem maravilhoso!

Ontem li a crônica da Martha Medeiros e me identifiquei muito, mas estou no facebook e ela não.Acho muito positivo meus leitores me acharem. Só que cada vez mais busco a simplicidade, a lentidão, a contemplação, o que é essencial. Meus quase 63 anos me dão licença poética para viver apenas o que quero viver. E hoje leio que há um movimento por menos consumo de notícias dentro da rede. Falando em consumo sou anti consumista por convicção, só compro o que é necessário, conserto os objetos até não dar mais. Gosto das coisas gastas.

Vi um filme iraniano que me impactou: A Separação. O que o medo é capaz de fazer com as pessoas! Medo de amar, de falar o que se sente, e o que se sente vai se avolumando , vira um novelo terrível.  É tão bom a gente dizer o quanto a gente ama quem está perto da gente, amigos, amores, filhos, gatos, cachorros, netos.

sábado, 19 de outubro de 2013

CHÁ LITERÁRIO

Ontem fui homenageada com um Chá Literário em São Gonçalo e a emoção foi imensa, a energia era a do afeto, entusiasmo, plateia linda falando de livros. Éramos muitos autores e cada um falou do seu passado como leitor e do seu processo de criação. Mas antes, a surpresa: cada um leu um poema do Abecedário (Poético ) de Frutas e tinha que falar da sua relação com a fruta linda. Uma delícia.
Voltei para casa voando de felicidade. Dormi com um temporal imenso e acordei mergulhada num dia azul.  

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

EM MADRID

Fui a Madrid pela primeira vez em 1994, quando recebi meu Diploma de Honra do I.B.B.Y em Sevilha. Havia conhecido um jornalista ao sair do aeroporto no Brasil,. Ele era espanhol e trabalhava no El País. Eu mal sabia que a partir daquele momento nossas vidas estariam para sempre ligadas. Voltei a Madrid em 1997 para encontrar meu grande amor e e ele me perguntou: _" Você conhece Antonio Machado?" Eu não conhecia e fui buscá-lo. Comprei uma edição lindíssima de capa dura e me sentei num bar onde li sua poesia pela primeira vez. Poesia linda e musical, completamente imersa na magia da natureza. Hoje, com a casa cheirando a algas, com a música do mar, tão longe daquele dia em Madrid , abro o livro do poeta e sua poesia me traz aqueles momentos de volta, com apenas um verso: "Hoy es siempre todavia"
Ou seja, tudo pode acontecer hoje, pois hoje é ainda. E naquele "hoje" tão distante, meu futuro estava sendo urdido em silêncio com os fios da vida.

CLXVI
(Viejas Canciones)

   A la hora del rocío,
de la niebla salen
sierra blanca y prado verde.
El sol en los encinares!
   Hasta borrarse en el cielo
suben las alondras.
Qui´pen puso plumas al campo?
Quién hizo alas de tierra loca?
   Al viento, sobre la sierra,
tiene el águila dorada
las anchas alas abiertas.
   Sobre la picota
donde nace el río
sobre el lago de turquesa
y los barrancos de verdes pinos:
sobre veinte aldeas,
sobre cien caminos...
   Por los senderos del aire,
señora águila,
donde vais a todo vuelo tan de mañana?
...............................................................................
Antonio Machado, Espasa Calpe, Poesías Completas.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

NA MINHA PASÁRGADA

Na minha Pasárgada eu seria bailarina, meu corpo leve como o ar. Dançaria noite e dia. Na minha Pasárgada eu seria cantora, teria uma voz rouca de algodão.Na minha Pasárgada andaria de bicicleta, como o poeta. Na minha Pasárgada faria magias. Na minha Pasárgada não existiria dor nem crueldade . Ninguém nunca seria humilhado. Na minha Pasárgada não seria preciso ser amigo do Rei, apenas carregar nas mãos sementes de amor.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

PRIVACIDADE

Há uma grande polêmica em torno das biografias não autorizadas. Sou contra a proibição. Podem nos caluniar de tantas maneiras pela rede ou pela boca mesmo. Isso deve ser tão antigo quanto a humanidade.
Uma vez falaram uma coisa terrível de mim quando estive em Friburgo, eu acho, com o Proler. Disseram que eu deixei uma conta de vinho sem pagar no hotel. Acontece que dinheiro público para mim é tabu igual incesto e eu tenho lá o meu código de ética, cada um tem o seu. Preferiria morrer de sede ou de fome do que fazer algo assim. Como se desfaz uma calúnia dessas? A pessoa nem escreveu para que eu pudesse processá-la. Com o livro escrito é mais fácil, a gente pode brigar na justiça. E como esconder alguma coisa hoje em dia? O nosso último reduto, onde guardamos nossas loucuras, segredos terríveis, nossas sombras, desejos inconfessáveis, fantasias que não podem ser ditas, é o nosso pensamento.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

LIÇÕES DE VIDA

Tenho meus livros para aeroporto e avião. Tem que ser grosso, tem que me agarrar. Geralmente eu os compro na Rodoviária ou no aeroporto, pois adoro a aventura de encontrar um livro que me chame no meio de tanta auto ajuda, tanta coisa  tão fora do meu universo. Desta vez, voltando de Visconde de Mauá comprei Lições de Vida de Anne Tyler (o livro ganhou o Pulitzer Prize) e me apaixonei pelo livro desde a primeira linha.Tudo acontece na estrada com um casal que vive junto há 28 anos e está indo para um funeral. Não conto mais para não estragar o prazer dos leitores.

O próximo encontro do nosso Clube de Leitura será dia 16 de novembro. Já está lotado. Vamos discutir sobre o livro As Brasas do Sandor Marai. O livro é uma maravilha, uma obra prima. E teremos, eu acho, algumas surpresas.  

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

VENTO

Venta muito. Desde alguns dias o vento é constante e de tanto soprar desarruma algumas coisas dentro da gente.

Leio artigos interessantes sobre o crescimento dos países. Por que os países precisam crescer? O crescimento traz destruição. Os países precisam dividir a sua riqueza e pensar em bem estar , cultura, felicidade.

Um artigo interessante fala de rádios clandestinas para países fechados. Uma rádio israelense que transmite para o Irã em persa. A rádio tem uma grande audiência no Irã. Por que não se faz uma política de aproximação e amizade entre países inimigos?

Tenho horror a qualquer tipo de censura. E o que é diferente de mim me atrai. Tenho amigos de todas as idades , classes sociais, gostos sexuais. Por que dividir os seres humanos em categorias? Somos todos humanos, os animais ma is predadores do planeta, os animais mais sublimes do planeta: Fabricamos arte e fabricamos morte.

domingo, 13 de outubro de 2013

O PODER DA LITERATURA

Luiz Ruffato fez um discurso impressionante, duríssimo e verdadeiro , na Feira de Frankfurt. Reproduzo um trecho emocionante:

"Eu acredito, talvez até ingenuamente, no papel transformador da literatura. Filho de uma lavadeira analfabeta e um pipoqueiro semianalfabeto, eu mesmo pipoqueiro, caixeiro de botequim, balconista de armarinho, operário têxtil, torneiro-mecânico, gerente de lanchonete, tive meu destino modificado pelo contato, embora fortuito, com os livros. E se a leitura de um livro pode alterar o rumo da vida de uma pessoa, e sendo a sociedade feita de pessoas, então a literatura pode mudar a sociedade. Em nossos tempos, de exacerbado apego ao narcisismo e extremado culto ao individualismo, aquele que nos é estranho, e que por isso deveria nos despertar o fascínio pelo reconhecimento mútuo, mais que nunca tem sido visto como o que nos ameaça. Voltamos as costas ao outro --seja ele o imigrante, o pobre, o negro, o indígena, a mulher, o homossexual-- como tentativa de nos preservar, esquecendo que assim implodimos a nossa própria condição de existir. Sucumbimos à solidão e ao egoísmo e nos negamos a nós mesmos. Para me contrapor a isso escrevo: quero afetar o leitor, modificá-lo, para transformar o mundo. Trata-se de uma utopia, eu sei, mas me alimento de utopias. Porque penso que o destino último de todo ser humano deveria ser unicamente esse, o de alcançar a felicidade na Terra. Aqui e agora."

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

CANÇÃO DE NINAR DO MAR

Ontem , ao voltar de Bacaxá para Saquarema, encontrei o Maestro Moisés no ônibus. Maestro Moisés criou um coral belíssimo na E.M.Castelo Branco (penso nesta escola como um belo castelo branco num país encantado, pois é inadmissível que escolas tenham nomes de generais da ditadura) e criou outros corais. Maestro Moisés fez a cidade cantar. Seu trabalho deveria ser tombado pela Secretaria de Educação e Cultura.

E toda hora alguém me diz: -Como são lindos os poemas da sua nora, Patricia de Arias:

CANÇÃO DE NINAR DO MAR
Canta o mar,
baila a espuma
e os golfinhos
beijam a lua.

A noite chega ao mar:
caracóis ajoelhados
fazem a sua cama
sobre as oindas.

O mar se balança, mexe,
adormece,
enquanto o vento canta
canções de ninar.

Patricia de Arias, in Fio de Lua & Raio de Sol
 

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

TRANQUILIDADE

Voltei de Visconde de Mauá ontem no final do dia. Exausta, pois não é uma viagem qualquer, é como passar de uma dimensão para outra. Durante o trajeto perco muita energia. Choveu todo o tempo em que estive lá e fazia um frio intenso, úmido, por causa da chuva. Foi magnífico mergulhar na mata. As saracuras vinham até quase a porta da casa com suas cores belíssimas de outono. Um esquilo brincou com um jacu em cima da árvore e o fogo crepitava enquanto as horas escorriam lentas. Terminei o romance do Agualusa, O Vendedor de Passados e penso que deve ser muito triste modificar um passado ou uma genealogia, somos o que vivemos e nossos ancestrais.
Tranquilidade , esta é a palavra exata para os dias que passei dentro do bosque. Li, escrevi 3 poemas, fiz meditação, alongamento e sobretudo contemplei a mata por horas seguidas.
E apresento aos meus leitores uma jovem poeta de 14 anos, minha amiga real, que vive em Madrid. Eu a conheci com 2 anos e para mim é uma surpresa ler a sua poesia tão bela, tão firme, tão madura. Seu nome é Ines e acho que terá um caminho iluminado .Espero que possam saboreá-lo em espanhol


Tranquilidad
Si fuera un color, sería blanco entero
Si es un sonido, el silencio bajo el mar
Si hablamos de tacto, es como el deshielo

Como el ojo de un huracán que destruye sin parar,
Es un vacío que no te produce miedo,
Algo inmóvil cuando el mundo quiere girar.

Es la ausencia de toda debilidad,
Y hay algo con lo que lo quiero comparar,
Es como un aleph, siento tranquilidad.

INES

terça-feira, 1 de outubro de 2013

TATO

Só ao chegar em Resende vi meu livro Fio de Lua & Raio de Sol. Metade meu. Metade da Patricia de Arias, minha nora. Mas os poemas se interpenetram, como a luz escorre durante o crepúsculo e o dia se mistura com a noite.. Tatear a capa, suas folhas, seu formato, cheirar o papel, é tudo emocionante. Os poemas fazem um todo cheio de emoção e harmonia. Aos meus leitores recomendo o livro. É da Ibep Jr.
A alegria de ter meus filhos e neto bem junto de mim...São como orquídeas raras. São minha âncora.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

VIAGEM AFETIVA

Hoje faço uma viagem puramente afetiva. Não vou para falar de leitura ou dos meus livros ou autografar. Vou apenas para amar: meus netos, Luis e a Gabriela que ainda está na barriga da mãe e nascerá em novembro e meus filhos e noras. Vou para amar minha casinha dentro do bosque. Amo tudo na casa, a sua simplicidade, o seu silêncio intermitente, cheio de águas e pássaros. À noite, em meu quarto, tão pequeno que nem cabe um armário e uma escuridão tão grande que eu flutuo dentro dela e me sinto abraçada pelas árvores que respiram lá fora. A mala já está pronta e dentro de mim a felicidade bate as asas.

domingo, 29 de setembro de 2013

CHUVA OUTRA VEZ

Leio no Livro do Desassossego do Fernando Pessoa:

" O gládio de um relâmpago frouxo volteou sombriamente no quarto largo. E o som a vir, suspenso um hausto amplo, retumbou, emigrando profundo. O som da chuva chorou alto, como carpideiras no intervalo das falas. Os pequenos sons destacaram-se cá dentro, inquietos".
pg 225 da edição da Cia das Letras

Acordei com a chuva caudalosa às 4hs da manhã. Dentro de mim alguma agitação, "pequenos sons", pois amanhã vou ao encontro dos meus filhos e netos e levo um carregamento muito grande de amor..

Penso em Marina Silva, com sua fala mansa, seu jeito tão calmo, não esbraveja, não ataca, não faz bravatas.
Mariana, como o Papa Francisco, é uma grande ameaça. Que ela consiga fazer seu partido. Não é justo o que estão fazendo com a Marina.

sábado, 28 de setembro de 2013

ESCRITA

Jorge Semprún, espanhol, escritor, que foi Ministro de Cultura na Espanha na época do Felipe González, foi sobrevivente de Buchenwald como preso político. Ele fazia parte da Resistência francesa. Por muitos e muitos anos ele quis esquecer para poder viver. Mas um dia, para poder viver, ele teve que escrever. Li seu belíssimo livro La Escritura O La Vida (ed.Tusquets) . A escrita nos liberta , é uma das maneiras de voar. Quando vejo a página em branco ou a tela, o poema dentro de mim ainda está em seu casulo e vai se derramando sobre a superfície e é como a gaivota que passa agora pela minha janela, quando for lido, em voz alta ou em pensamento, estará voando. Cada poeta tem sua escrita, sua maneira de respirar, suas imagens . Eu vejo as imagens, tenho este dom. Às vezes tenho que correr , elas se desmancham rapidamente. Como Semprún, eu escrevo para poder viver, é o que faz com que minha vida seja mágica, cada dia é uma aventura, e às vezes, quando me entrego completamente ao destino e ao vento, a felicidade é completa.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

DODORA

Ontem recebi uma amiga querida que não via desde muito tempo: Dodora. Ela trabalhava na Secretaria de Educação de Saquarema e foi ela quem me convidou para trabalhar junto com os professores em 2003. Já não está na Secretaria, infelizmente, pois Dodora é feita de sonhos e todas as Secretarias de Educação do Brasil deveriam ter um sonhador contratado, deveria ser profissão.Falamos de livros, mostrei minhas últimas publicações,falamos da vida, dos filhos, dos netos.Falamos do livro do Rabino Nilton Bonder A Alma Imoral. Ela me disse: minha alma quer transgredir. Eu combinei que vou sequestrá-la da sua vida familiar e levá-la comigo para Mauá ou para alguma Feira de Livros por aí.

Domingo é o lançamento , em Visconde de Mauá, do livro que Patricia de Arias, minha nora e sobrinha do Juan, meu marido,escreveu comigo, Fio de Lua & Raio de Sol. Guga, meu filho, vai tocar. É uma alegria imensa.

Hoje o dia está lindo, pedaços de céu azul. Uma aquarela.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

CADERNO DE TELEFONES

Não tenho o telefone de ninguém gravado no meu celular, penso que se perco o celular , meus amigos ficam vulneráveis. Mas a verdade é que eu não uso quase nada de tecnologia, o mínimo necessário para não estar excluída do mundo de hoje.
Entro na papelaria Angel aqui em Saquarema e busco um caderno de telefone. Na minha infância uma das coisas que eu queria para o meu futuro, para quando fosse adulta, era ser dona de papelaria. Acho um lindo, com capa de flores e papel reciclado: é este que quero. Acaricio sua capa e já ficamos íntimos. Agora a dura tarefa, começar a passar a limpo os telefones do caderno velho, todo rabiscado, tão caótico, tão emaranhado que só eu posso entende-lo . Mortos e vivos se misturam, como vou riscar o nome do amigo tão querido, que me acompanhou por quase 30 anos e que foi definitivamente embora? Seu telefone continua lá e o da minha mãe também. Passar um caderno de telefone a limpo é viajar pela memória e é uma tarefa dura e lenta. 

O tempo continua fechado mas o sudoeste amainou. O sol quis sair, mas desistiu. Seu esforço durou apenas dez minutos. Então acho que fica lindo aqui no post um poema do grande Juan Ramón Jiménez, Prêmio Nobel de 1956

AMOR

?Cuanto tardas en salir,
sol de hoy, sol de hoy!
!Sal, que me ahogo!

in Selectión Poética, ed. Alhambra Longman, Madrid.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

URSINHOS

A notícia mais linda da manhã: nasceram 14 ursinhos panda na China. São uma loucura de fofos. Daria tudo para ter um nas mãos. No meio de tantas notícias horrorosas que nos chegam do mundo, os ursinhos me dão alegria. Mas o Irã estende a mão ao Ocidente e isso é bom. Quem sabe a linha do horizonte muda de lugar? E um dia ocidente e oriente, todos os povos, todas as religiões se abracem?
Falando em horizonte, o mar está violento, cinza chumbo, escuro e assustador. Eu adoro. O sudoeste sopra com força.A casa treme. Imagino que num dia assim as sereias não saiam dos seus castelos no fundo do mar. Ficam em casa lendo poesia.

COMIDA DE SEREIA

O que será que a sereia come
em seu castelo de areia?
Enquanto penteia os cabelos
a panela esquenta na cozinha:
será que a sereia come anêmonas,
ostras, cavalos marinhos?
Ou delicados peixinhos  de olhos
dourados?
Algas marinhas, lulas, sardinhas?
Polvos, mariscos, enguias,
ou será que a sereia come poesia?

in Poemas e Comidinhas, ed. Paulus


terça-feira, 24 de setembro de 2013

CHUVA-TORNADO-DESMATAMENTO

Estamos colhendo os frutos de tanta devastação. O Brasil já tem terremoto, tornados, as chuvas são torrenciais e destrutivas. Hoje fui fazer um exame de sangue em outra cidade e enquanto ouvia as notícias , meu coração se apertava. O desmatamento da Amazônia aumentou muito neste último ano. Não era para diminuir? Onde chegaremos? Não há um plano Brasil. A Alemanha desativou suas usinas nucleares depois da tragédia no Japão e sua economia verde está crescendo e dando lucros. O que é o Brasil afinal? Para onde vamos? Deixo a pergunta num ar emaranhado de estratégias confusas.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

AMIRBAR

Li um pequeno livro que me arrebatou. Já faz tempo: Amirbar de Álvaro Mutis. A sua escrita é maravilhosa, encharcada de poesia. Sua poesia é muito forte e bela. Morreu ontem Álvaro Mutis, colombiano, com 90 anos e todos os prêmios existentes. Poetas não morrem, vão passear nas estrelas..

Uma amiga ,Claudia Simões,  me escreve: você é feliz. Sim, apesar do mundo estar sempre se despedaçando, apesar do genocídio na Síria, da fome na África, do ataque terrorista de ontem, da destruição do planeta , eu sou feliz, porque a cada dia recebo a vida novamente e cada dia pode ser o último.

domingo, 22 de setembro de 2013

A CATEDRAL DO MAR

Ontem foi o encontro do nosso Clube de Leitura da Casa Amarela. Cedinho fiz os pães e junto com a Vanda ,  uma comidinha ótima: arroz com bacalhau e purê de abóbora com leite de coco e coentro.  De sobremesa trouxe doces de Minas, Hélio e Fernando trouxeram cuscuz e Flora e Hector trouxeram um bolo cuja receita Flora experimentava pela primeira vez. Hector disse que seríamos cobaias, assim como os reis tinham alguém que experimentava a comida antes para se saber se estava envenenada.A discussão do livro A Catedral do Mar de Ildefonso Falcones foi calorosa. Fernando começou citando o livro do meu marido Juan Arias, 50 Motivos para Amar o Nosso Tempo, para comentar que perto da Idade Média vivemos no melhor dos mundos. E todos falaram das crueldades terríveis que eram moeda comum e que hoje são impossíveis em quase todos os lugares, eu disse quase. Todos citaram as partes mais tristes, mais impressionantes. Maria Clara falou do personagem principal como um super herói, mas apesar das improbabilidades dos encontros que o livro apresenta, a trama é muito bem montada e você não respira até o final.Cristiano falou da complexidade do personagem Juan, irmão adotivo de Arnau. Falamos do amor das mães do livro. César achou que Mar era a personagem mais fraca, menos bem construída.Maria Clara achou que o encontro final entre os dois ficou muito ambíguo. Falamos da inquisição e principalmente do poder. Ronaldo sublinhou que para ele a questão principal do livro era esta. Gil falou que as coisas não mudaram tanto. Os pobres continuam sendo sempre os grandes injustiçados. Falamos dos judeus, das injustiças sofridas. Todos concordaram que o livro era uma aula de história, Maria Clara frisou o quanto aprendemos sobre Barcelona e a Idade Média e como o livro está bem fundamentado. Ela trouxe um livro sobre o Gótico e mostrou as fotos da Catedral do Mar. Juan trouxe várias críticas que saíram no El País, seu jornal, críticas que acabaram com o livro, dizendo que é um quase plágio do livro Os Pilares da Terra e é catalanista. Eu acho que sim, o autor se inspirou nos Pilares da Terra, de Ken Fowlet e não sei se isso é um crime, a Idade Média está aí em mil livros de história e cada autor faz o que quiser com este material riquíssimo. A trama é diferente, os personagens são diferentes.Não acho que o livro seja catalanista, ele simplesmente conta a história de Barcelona.  Chico achou o livro grande demais, ele poderia ter menos umas 150 páginas, ele disse, mas Maria Clara discordou, é aventura até o final. Discutimos qual das mulheres seria o grande amor da vida do Arnau e as opiniões foram divergentes. Gil falou que no livro, os personagens de alguma maneira davam a volta por cima e conseguiam sobreviver e naquele tempo isso já era muito. César disse que Arnau era um homem bom, mas a sua vingança não combinava com a sua bondade. Mas achamos muito justa a sua vingança por tudo o que sofreu. Angela, que trabalha na Sala de Leitura da escola Ozires, ganhou um aplauso pela homenagem que vai receber por seu trabalho, homenagem mais do que merecida.A Angela que veio do Rio falou da crueldade contra os judeus e trouxe livros da StellaMaris Rezende que foram sorteados durante o almoço. O poeta escolhido era Lorca e Juan leu esplendidamente La Casada Infiel em espanhol. Ronaldo trouxe o violão e cantou sua versão musical do Verde que te quero Verde.Gil, Hélio, Fernando leram belos poemas e Chico fez um poema sobre o Mar brincando com a personagem.  Minha editora Carolina, da Rovelle, veio e sua doçura pairava pela sala. Eu falei da saudade imensa que sinto dos encontros aqui em casa com as escolas, do nosso lindo Café da Manhã Literário. Maria Clara, Cristiano e Ronaldo , que se encontraram na Rodoviária do Rio para vir para Saquarema, de tanto conversar, perderam o ônibus que havia mudado de plataforma e tiveram que vir de táxi para chegar a tempo.
Na mesa do almoço éramos uma grande família unida pelos livros. E tomara que este Clube siga por muitos e muitos anos.
O nosso próximo encontro será no dia 16 de novembro e leremos As Brasas do Sandor Maarai, que já li duas vezes e lerei pela terceira. Não conheço a poesia húngara e vamos trazer trazer algum poema húngaro. Ronaldo vai pesquisar e trazer alguma música para violão.
E o encontro será no sítio de um dos participantes. A todos os que estiveram aqui comigo meu mais profundo agradecimento.     

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

PRIMEIRO LIVRO

Hoje faz um ano que meu filho saiu com sua família de Granada, na Espanha, onde morou por oito anos, para viver no Brasil A primeira vez que me encontrei com Patricia de Arias foi em 1999. Ela é sobrinha do meu marido e naquele momento quem poderia imaginar que ela se casaria com o meu filho e me daria de presente o Luis, meu neto? Foi uma linda história de amor que aconteceu em 2003. Eles se encontraram aqui na minha casa em Saquarema e se apaixonaram. Foi amor à primeira vista. E aqui se casaram. Desta maneira , meus genes e os do Juan se misturaram no Luis, nós já nos casamos mais velhos e não pudemos ter um filho. (mas temos duas gatas, são nossas filhas) . Quando conheci a Patricia em Granada, ela me mostrou seus poemas, eram lindos.E hoje , quando faz um ano que chegou da Espanha, ela recebe em suas mãos o seu primeiro livro, Fio de Lua& Raio de Sol, da Ibep Jr. , com belíssimas ilustrações da Regina Rennó. Ela fez os poemas da lua e eu fiz os poemas do sol. E já tem um livro no prelo com a ed.Rovelle, mas esta é outra história. Hoje começa uma outra vida para a Patricia. Seus poemas tão lindos encantarão crianças e jovens e viajarão pelo Brasil. E quem estiver perto de Visconde de Mauá no dia 29 de setembro às 11:30h, que vá ao lançamento do livro com vinho branco e Guga Murray, meu filho tocando,. O lançamento será no Centro Cultural. Eu não poderei ir , mas a Patricia estará lá com a sua família , explodindo de felicidade, e quem for, dê um beijo nela por mim.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

NEANDERTAIS

Quando tinha uns 8 ou 9 anos, meu irmão, bem mais velho do que eu, me deu um livro maravilhoso e apaixonante. Infelizmente perdi seu nome e o nome do autor. Era uma aventura que se passava na Pré História. Desde então a minha paixão pelos nossos ancestrais nunca se apaga. E quando li a coleção Os filhos da Terra de Jean M.Auel enlouqueci. Os dois primeiros livros, os outros são uma aventura erótica horrorosa, a autora se perdeu. A Ayla, a humana que sobreviveu a um terremoto e vive entre os neandertais., muitas vezes me serve de talismã.. Agora, porque já se sabe a sequencia completa dos genomas, também já sabe que nós nos misturamos com os neandertais.Temos 4% dos seus genes.  E  uma equipe da UFRGS acaba de descobrir que eles não possuíam uma inteligência inferior ou habilidades inferiores . Então por que desapareceram? A equipe levanta a possibilidade de uma sociedade pequena, muito fechada  num meio ambiente muito hostil. Saber que um pedaço de mim foi herdado de uma espécie de homens e mulheres que não existe mais, me deixa muito emocionada.    

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

AMANHECE

Amanhece. Olho o mar e um pescador solitário recolhe a linha, seu corpo dança e de longe parece um esboço.
Penso na vida como um grande esboço dos  nossos desejos. E quando olhamos para trás a vida parece um filme fragmentado onde somos tantos personagens.
Envelheço. Meu corpo é rude, me desobedece, mas sou capaz de caminhar por ruas que percorri na década de 50, minha memória, às vezes, é um falcão amestrado. Há dentro de mim uma geografia intacta de uma cidade que não existe mais.
Olho o mar. A luz já cobriu tudo de um azul-cinza que ainda vai se desdobrar. Lá está o pescador. Com seu corpo recolhe o tempo.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

NO MUNDO DA LUA

SURPRESAS

Este menino tem sempre
cinquenta surpresas nos bolsos:
uma pedrinha encardida que,
diz ele, dá sorte na vida.
Uma bala amassada
que para alguma emergência
ele traz guardada.
Uma viagem de volta ao mundo
em um segundo
e uma entrada (permanente)
para o circo que fica montado
dentro de seu pensamento.

in No Mundo da Lua, ed. Paulus



Meu livro No Mundo da Lua recebeu a indicação para o Acervo Básico da F.N.L.I.J

 

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

DEPOIMENTO DA E.M.HERMANN MÜLLER

Recebo o depoimento mais bonito do mundo, da escola que é a minha paixão, a E.M.Hermann Müller, escola rural de Joinville:

As notas sonoras semeadas a partir de "Caixinha de Música", em abril...resultaram em flores e frutos ao longo do ano!

           Muitas foram as atividades desenvolvidas, motivadas pelo brilhante talento de Guga Murray.
           Desenvolvemos com os alunos  um projeto, com o objetivo de unir poesia e música, ambos ritmo e movimento, na sala de aula, assim como a proposta de vocês no livro "Caixinha de Música".
A turma multisseriada de 1º e 2º ano, alfabetização, juntamente com a Professora Silvia, está confeccionando um TAPETE MUSICAL com todas as cantigas trabalhadas...Além de instrumento de leitura, o tapete acompanhanhará os alunos em momentos de Roda Musical.
Além disso a  construção de uma ÁRVORE MUSICAL tem movimentado com a pais e alunos. Esta árvore abrigará vários objetos de experimentação sonora como sinos, mensageiros dos ventos e instrumentos musicais. 
Utilizamos ainda os poemas musicas de Vinícius de Moraes como recurso de alfabetização. Tal projeto será destaque na TV Escola, por ocasião da programação comemorativa ao centenário de Vinícius de Moraes, que irá ao ar esta semana.
A turma multisseriada de 3 º, 4º e 5º anos da Professora Rachel, desenvolve uma proposta de ampliação do repertório cultural e das múltiplas linguagens, e de situações significativas que permitam o contato entre música e poesia. Algumas atividades desenvolvidas: confecção de chocalhos, atividades utilizando os próprios instrumentos confeccionados e decorados pelas crianças; passeio pelo Bosque da leitura e Jardim encantado, escutando os sons da natureza para a composição de uma escrita musical; escrita dos sons de algumas histórias; produção textual de Haikais (minipoemas japoneses) musicados, escritos pelas próprias crianças; estudo das poesias do Livro “Arca de Noé”. A turma ainda está trabalhando na confecção de seu próprio Livro-concerto! 
Muita APRENDIZAGEM, com música, poesia e ALEGRIA!

E para culminar...Um Concerto da Orquestra Prelúdio de Joinville em nossa escola! Acontecerá em 28 de setembro de 2013 à partir das 9:20 e será aberto a toda comunidade.

Feliz pela chegada da primavera...inspirada mais uma vez por POESIA e ...MÚSICA!!

A vocês, toda a nossa Gratidão...sempre!

Abraços poéticos e musicais...
"Família Hermann Müller"

domingo, 15 de setembro de 2013

FESTIVAL PERFEITO

Agradeço profundamente ter estado em Uberaba. Foi um encontro perfeito, uma química impressionante entre os autores. O formato do Festival , pequeno e de altíssima qualidade, me impressionou. Tudo impecável. Foi mesmo inesquecível.
Ouvi o Agualusa falando, música para os sentidos, uma palestra do Breno sobre a história das comidas brasileiras, Leo Cunha e Luiz Antonio Aguar conversando com os adolescentes sobre o que se pode ou não dizer nos livros, uma verdadeira maravilha e a delícia da apresentação da Ana Cláudia Ramos sobre seu último livro. Perdi muita coisa, infelizmente, mas sei que foi tudo incrível. Thiago de Mello fez um festival perfeito. Além do mais Uberaba é linda, a vista do quarto do hotel estonteante, comi muitos pães de queijo, muitos pastéis e bolinhos de arroz (sou fanática pelos três) e fui ao Mercado Municipal onde comprei alguns doces maravilhosos para a sobremesa do almoço do nosso Clube de Leitura da Casa Amarela no dia 21.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

QUINTA-FEIRA

Ontem pela manhã fomos, eu, Guga e Eliana até Peiraba, onde há um museu dos dinossauros. O lugar é belo e além do museu há uma antiga estação de trem que nos faz sonhar.
À tarde tive um encontro íntimo, pouca gente e muita emoção. Foi gratificante.
E à noite tivemos uma palestra com Breno Lerner sobre comida brasileira e suas origens,Uma maravilha. Depois saímos todos esfomeados para um encontro na torre do hotel com comidinhas de botequim. Comi pastéis, bolinhos de arroz e ovos de codorna .Alessandra Roscoe, sentada ao meu lado, contava lindas históris sobre seu trabalho.. Acho que desde Pluft, o fantasminha, sou louca por pastéis. Hoje à noite vou falar e Guga vai tocar. E amanhã às cinco da manhã partimos. Uberaba é  linda, as pessoas maravilhosas e a Festa Literária interessantissima, com escritores tão incríveis que estou morrendo de medo de subir no palco. É muita ousadia.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

UBERABA

Uberaba é linda e fomos magnificamente recebidos. Agualusa fez a abertura com uma fala linda e mansa. E lkeu um conto muito bom. Depois todos os autores foram para a casa quase irreal de tão bela, do Thiago de Mello que nos recebeu num jardim de sonho. Hoje faço uma oficina durante a tarde. Estou feliz.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

DE MALA PRONTA

De mala pronta lá vou eu. A sacola de livros dentro da mala. Sou caixeira viajante  ou sacoleira? Minha bolsa de pano bordada por alunos de Natal. Com os fios que vão ligando a gente a tantas gentes e lugares. A poesia é o sol e a chuva, adubo para a existência. Volto dia 14, tentarei escrever em Uberaba.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

FESTA II

Juan foi ontem ver a saída da N.Senhora de Nazareth , à noite, na Vila de Saquarema e  me conta : havia tanta gente que quase não dava para caminhar. A procissão era belíssima com a imagem da N.Senhora e anjos. Havia tantos fogos quanto no fim do ano. O clima era de festa, alegria, nenhuma violência. Muitas famílias inteiras, algumas mães com bebês sendo amamentados no meio da multidão. Como tenho fobia de muita gente fiquei em casa vendo um filme do Polanski, O Escritor Fantasma. Um bom filme de suspense, fiquei com medo.

A partir de terça-feira estarei em Uberaba para a Feira de Livros. É incrível como as Feiras estão em todo o Brasil, é uma grande alegria. Fui a Uberaba em 2002 e tenho as melhores lembranças. Desta vez levo meu filho Guga. É muito bom, ele cuida de mim. Mas agora o Guga está preparando um novo Livro-Concerto com o livro Fio de Lua & Raio de Sol com poemas da sua mulher Patricia de Arias e meus. Os poemas da minha nora são belíssimos e como ela é professora de teatro,  está preparando jogos teatrais para a plateia e assim poderão viajar juntos  e com o Luis, meu neto, a tiracolo. Em novembro farão a sua estreia no Sesc Teresópolis.  Que o novo Livro-Concerto tenha vida longa.

domingo, 8 de setembro de 2013

FESTA

Hoje é a festa de N.S.Nazareth aqui em Saquarema. Já li que depois de Belém é a maior. Saquarema está muito cheia. Não tenho coragem de ir até a vila. Tenho um certo pânico de muita gente. Mas o dia está belíssimo e imagino que as pessoas estão felizes, os barraqueiros vendendo seus produtos, os restaurantes lotados. Desde às 4hs da manhã os fogos arrebentavam o silêncio. Confesso que prefiro Saquarema deserta como uma ilha perdida.

sábado, 7 de setembro de 2013

A MINHA VIDA

Moro num lugar belíssimo, numa cidade muito pequena. E a minha vida é muito simples. Cedinho, hoje, desci ao jardim para abrir a porta do apartamento da minha gata Luna na lavanderia. Ela resmunga, é muito mau humorada. As orquídeas explodiam suas cores , explodiam felicidade. Faço o café e seu cheiro impregna a casa. Leio o jornal e acho que uma intervenção na Síria não resolverá nada, vai complicar a situação . Todos os lugares onde as fronteiras foram criadas artificialmente sem respeitar as etnias, as religiões, as tribos, são um barril de pólvora. Leio um poema belíssimo do Ivan Junqueira. Abro a janela e respiro o mar. Dentro da água , na praia imensa, vejo um adulto e uma criança brincando nas ondas. Deve ser seu pai e me emociono. Pequenas coisas me alimentam. Estou escrevendo um livro novo, poema por poema ele vai se formando. Terminei de ler alguns livros, começo outros, pego alguns ainda inacabados. Cozinho. Penso. Torço para que hoje não haja muita violência nas manifestações. Odeio violência.
Não acredito nem em esquerda nem em direita. Penso que são termos ultrapassados. Acredito na bondade e bem estar das pessoas, acredito em dar oportunidade a todos para que realizassem seus dons e os governos deveriam se preocupar com isso, deveria ser a bússola. Penso que no Brasil todos deveriam se unir para que a população pudesse ter o melhor dos mundos num país tão rico.
E assim é a minha vida, respiro, leio, escrevo, penso, cozinho. Às vezes viajo para conversar com meus leitores. Mas hoje temos praças virtuais onde trocamos nossas ideias e produtos, nossas esperanças e assombros. 

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

A LUA

Sempre voltamos aos poetas amados. A poesia do Borges é tão bela, filosófica, melancólica. Em qualquer página que abra da antologia que tenho e que de tão velha já se desmancha, seus poemas me tocam, são quase uma dor de tanta beleza. Agora que está saindo o livro Fio de Lua&Raio de Sol com poemas meus e da Patricia de Arias, abro a antologia e seu poema da lua, tão simples e maravilhoso , me toca:

LA LUNA
 A Maria Kodama

Hay tanta soledad en ese oro.
La luna de las noches no es la luna
Que vio el primer Adán. Los largos siglos
De la vigília humana la han colmado
De antigo llanto. Mirala. Es tu espejo.

Jorge Luis Borges -Obra Poética 

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

BICICLETAS

Quando era criança meus pais tinham uma loja no bairro do Grajaú no Rio de Janeiro. Havia um pátio imenso na frente da loja onde eu andava de bicicleta. Quando tinha uns sete anos caí da bicicleta e quebrei os dois dentes da frente que já eram definitivos. Minha mãe me tomou a bicicleta e não pude mais andar. Então nunca mais andei. Aqui em Saquarema onde tantos andam de bicicleta sinto uma tristeza louca por não poder fazer algo tão simples. Mas com a coluna operada e prótese no quadril não tenho coragem de recomeçar , não posso levar nenhuma queda. Então eu também gostaria de ir para Pasárgada porque lá andaria de bicicleta! Mas leio que na Alemanha, para os jovens, os carros não significam mais nada, são um atraso e eles só andam de bicicleta. E como é lindo e silencioso ver uma bicicleta em movimento, como é elegante, não importa o seu condutor. E o vento no rosto, as paisagens como um filme, que no futuro aposentem os carros e inundem as cidades com um mar de bicicletas.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

CHUVA

O que mais estranho em Saquarema, eu que passei tantos anos na montanha, é a falta de chuva. Aqui vivemos num regime semiárido. E o vento castiga o jardim. Estava tudo tão seco, incêndios aqui e ali, que esta noite quando acordei com a música da chuva no telhado, agradeci. Como disse Tom Jobim, "que chuva boa, prazenteira". Além disso há uma certa neblina e eu também agradeço.

Meu filho Guga Murray vai começar a preparar um outro Livro-Concerto com o Fio de Lua&Raio de Sol, que Patricia de Arias, minha nora, fez em parceria comigo. Patricia é professora de teatro e eu já a imagino no palco cantando e fazendo jogos teatrais com o livro e como sonhar é de graça, imagino meu neto Luis indo junto, tocando pandeiro! Somos todos saltimbancos nesta família!

terça-feira, 3 de setembro de 2013

LUNA

Luna , minha gata persa , já tem 14 anos. É uma linda senhora, um pouco rabugenta. Desde o ano passado que ela dorme em aposentos reservados. Seu apartamento fica no anexo , no fundo do quintal, onde temos a lavanderia e guardamos as ferramentas do jardim. Tudo começou com uma tristeza imensa da Luna, uma depressão e ela fazia suas necessidades por toda a casa. Seu pelo estava horrível e à noite ela nunca queria entrar. Pensei muito, conversei com a veterinária e achamos que seu problema era a Nana. Ela não suportava mais a Nana, nossa gatinha vira-latinha

e suas ridículas brincadeiras. Então fiz uma caminha linda para ela na lavanderia, num cantinho onde ela fica meio escondida, pusemos os potes de comida e água, sua caixa de areia para a noite (nós a fechamos com medo dos gambás) e Luna reviveu. É uma velha senhora mas parece uma mocinha. Passa o dia inteiro deitada no banco azul do jardim e tenho que visitá-la. Ela quase nunca vem nos ver. Nana ficou ofendida e a ignora solenemente. Mas foi uma solução. As duas estão felizes.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

ORAÇÃO PELA PAZ

Acho lindíssimo o gesto do Papa Francisco de convocar uma oração conjunta pela paz na Síria e no mundo inteiro, todas as religiões na Praça. Não importa a crença, em uníssono clamar pela paz é a maneira mais bela de se sentir humano.Como salvar o homem dele mesmo?  Clamando pela bondade, partilha e aceitação do outro. Que as orações cheguem até o centro da Terra, até as galáxias mais distantes. Nada pode substituir a paz para que o pão e o amor cresçam. Na guerra só há morte, sofrimento e ausência.

domingo, 1 de setembro de 2013

MEMÓRIA

O que faz com que alguns fatos tão antigos fiquem gravados em nossa memória? Por que uns são indeléveis e outros se apagam sem deixar vestígios?
Na capa do meu livro Retratos, em nova edição, há uma criança entre 8 e dez anos vestida de bailarina em cima de um banco. Sou eu. Não me lembro deste dia, mas sim do momento em que fiz a foto. Lembro do banco onde tantas vezes brincava, na casa de vila onde vivia a minha avó. Eu estava fantasiada para o carnaval. O que havia nesta menina que ficou em mim?

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

LIVROS DIGITAIS

Terei meu primeiro livro unicamente digital. É uma reediçao: Pequenos Contos de Leves Assombros e a editora se chama Descaminhos, um nome lindíssimo! Que meu livro encontre um belo descaminho por rotas sinuosas. E a ed. Rovelle escolheu meu livro Abecedário (Poético) de Frutas para ser seu primeiro e-book e estou orgulhosíssima.
Confesso que só consigo ler no papel, preciso do toque e do cheiro, é uma relação sensual que não tenho com  a tela. Imagino que que o papel será um dia o que foi o pergaminho, mas já estarei passeando pelas estrelas quando isto acontecer.  De qualquer maneira já tenho um e-book lindo no meu site e estou esperando a finalização do texto A Bruxa da Casa Amarela pelo Caó Cruz Alves para ter um e-book infantil.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

SAQUAREMA

Cheguei em casa de Mauá-Resende. Como é subjetivo o tempo. Parece que fiquei longe meses, parece que voltei de outro planeta! Faz frio, o canto do mar é quase um acalanto. E agora é recomeçar. Puxar novamente o fio do meu cotidiano, dos textos que me esperam.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

EM RESENDE

Estou em Resende com meus filhos e neto. Gosto da cidade, suas casinhas, seus recantos, a parte velha,, o rio Paraíba do Sul, belo e sinuoso. Algumas ruas bem antigas possuem lojinhas fantásticas, parece que viramos a esquina e entramos na década de 40.
Ontem comprei uma fantasia para o Luis de algum Super-Herói (não conheço os nomes) e a sua felicidade era a coisa mais linda de se ver. Ao chegarmos em casa ele se vestiu inteiro, empunhou a sua espada e como um cavaleiro medieval estava pronto para me defender de todos os males.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

VIAGEM

Mudei minha data da viagem para Mauá. Estou indo amanhã cedinho e ficarei uns dias ausente do blog. Até a volta.

VIAGENS À VISTA

Tenho duas viagens no horizonte. Dia 11 vou para Uberaba, para a Feira de Livros. Vou fazer uma oficina, a "Estação Lunar", vou dar uma palestra, "Os cinco sentidos e alguns outros" e Guga Murray, meu filho , fará seu Livro-Concerto Caixinha de Música. (Guga estará apresentando seu concerto na Bienal do Rio dia 1 de setembro, pela manhã e à tarde).

Mas antes vou para Resende-Mauá, semana que vem , ao aniversário do meu neto Luis. Sua festa será na escola e estamos os dois super ansiosos! Ele me conta pelo telefone que já sabe qual presente quer ganhar e sabe onde comprar. É um super herói e eu sou a Super-Vovó! Luis gosta de brincar de homem aranha e fica me enredando em teias imaginárias e eu amarro o meu neto bem forte numa teia de amor!

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

MEU PRIMEIRO AMOR

Meu primeiro amor foi Peter Pan. Eu tinha muitos ciúmes da Wendy. Um amor que durou anos. Quando fiquei um pouco maior tive outros amores literários até chegar um primeiro amor de carne e osso. O primeiro amor do Bandeira foi um porquinho da índia e o poema me enche de ternura:

PORQUINHO-DA-ÍNDIA

Quando eu tinha seis anos
Ganhei um porquinho da índia.
Que dor de coraçao me dava
Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
Levava ele pra sala
Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos
Ele não gostava:
Queria era estar debaixo do fogão.
Nao fazia caso nenhum das minhas ternurinhas...

_ O meu porquinho-da-índia foi a minha primeira namorada.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

POEMAS E POETAS

Desde criança escrevia sem saber que mais tarde seria poeta. Quando era criança gostava de ler revistas de terror e eu mesma escrevia pequenos contos de terror. Não sei como explico isso! No Ginásio Hebreu Brasileiro escrevia uns textos bem poéticos e lia no banheiro para as minhas amigas. Quando eu terminava de ler havia um silêncio emocionado. Já contei isso muitas vezes: foi o encontro com o Poema Sujo do Gullar e com o livro Gravitations do Jules Supervielle  tive coragem de escrever poemas. Mas o que é um poeta e para que serve a poesia?
Responde Manoel de Barros:

DESPALAVRA

Hoje eu atingi o reino das imagens, o reino da
despalavra.
Daqui vem que todas as coisas podem ter qualidades
humanas.
Daqui vem que todas as coisas podem ter qualidades
de sapo.
Daqui vem que todos os poetas podem ter qualidades
de árvore.
Daqui vem que os poetas podem arborizar os pássaros.
Daqui vem que os poetas podem humanizar
as águas.
Daqui vem que os poetas devem aumentar o mundo
com as suas metáforas.
Que os poetas podem ser pré-coisas, pré-vermes,
podem ser pré-musgos.
Daqui vem que os poetas podem compreender
o mundo sem conceitos.
Que os poetas podem refazer o mundo por imagens,
por eflúvios, por afeto.

in Ensaios Fotográficos, ed. Record

Então a poesia e os poetas servem para refazer o mundo cada dia.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

POETA DO MAR

Gloria Kirinus, minha amiga poeta peruana curitibana vai dar uma oficina sobre poetas do mar e me colocou em seu acervo. Fiquei vaidosa.. Desde que moro em Saquarema o mar entrou por minha poesia , pelas portas, janelas, por todas as frestas. Meu coração lateja junto com o mar. Acho que tenho cheiro de algas e anêmonas. Mas ao mesmo tempo sou árvore. Consigo conciliar o mar e a floresta : os dois me habitam.

sábado, 17 de agosto de 2013

A CASA AMARELA

Ontem, aqui em Saquarema, quando saia do Pilates, alguém gritou meu nome. Eu não a conhecia, mas ela sim e me perguntou: _Onde é a Casa Amarela? Já fui a todos os lugares, a todas as Secretarias e ninguém sabe! Queria levar minha filha de 10 anos até a Casa Amarela, pois ela ama ler e é tua fã.
Respondi que a Casa Amarela é a minha casa e que meus leitores são sempre bem recebidos.
Aproveito para confirmar o encontro do Clube de Leitura da Casa Amarela no dia 21 de setembro às 11hs. O livro: A Catedral do Mar de Ildefonso Falcones, ed. Rocco e poemas do Lorca.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

PRIMAVERA

A primavera árabe entrou por um caminho tortuoso, escuro, desembocou numa guerra civil. O que será do Egito? Nossas manifestações terminam em violência gratuita, quebradeira, tudo muito longe de uma primavera. Não há saída para nós, humanos? Será tão difícil amar a paz? O que se constrói com violência? Na Colômbia os índices terríveis de assassinato foram diminuídos de maneira impressionante com cultura e arte, com as Bibliotecas Parque.  Acredito na transformação pela arte e literatura. Precisamos acreditar que não existe nenhuma razão para que uma linha de pensamento subjugue outra diferente. Que diferentes podem conviver em harmonia e respeito, com suas crenças ideológicas e religiosas. Se isso for possível algum dia, não haverá motivo para a destruição.Será que para isso nosso DNA terá que ser modificado?

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

RETRATO D MAR

Haicai em preto e branco do mar hoje, aqui em Saquarema:

cinza preto e chumbo
com suas ondas gigantes
o mar grita espuma