sexta-feira, 22 de agosto de 2014

MADRUGADINHA

Madrugadinha:
Vênus machuca
meu coração
de solidão azul.

in Poemas de Céu, Paulua

Hoje com certeza exagerei. Acordei muito cedo, âs 2.30h. Ainda fiquei na cama, dentro do escuro, pensando. Mas então me levantei mesmo, fiz a mesa, tomei café. Madrugadinha o mar é Imperador. Envolve a casa inteira, explode nas portas e janelas, as madeiras estalam cantam. É uma sensação magnífica.
Alguns livros vivem dentro da gente. Seus personagens se movimentam como pessoas e nos acompanham para sempre. Sou apaixonada por um conto do Joyce, Os Mortos e o filme também é lindo, se chama Os Vivos e os Mortos. Já lemos no Clube. Amo um livro furiosamente, já li muitas e muitas vezes. La vie devant soi, do Émil Ajar. Comprei em português para indicar ao Clube de Leitura, mas a tradução era tão horrorosa que não pude nem ler nem indicar. Uma vez, Bartolomeu Campos fez uma palestra em algum lugar e eu estava na plateia. Ele falou do livro e meu coração voou de felicidade. Então no intervalo fui falar com ele da minha paixão pelo livro. Ele também se emocionou por dividirmos a Madame Rosa e o Momo e então, ele tão tímido fez carinho no meu sapato! Fou a Monica Botkay que me emprestou livro  quando nós duas éramos quase adolescentes! É um dos livros mais belos que já li em toda a minha longa vida. Comprei em Paris em 1994 num sebo na beira do rio. Foi o primeiro livro que vi. Agora não encontro. Perco tudo ou dou tudo e meus livros desaparecem! Agora releio em português Jacques,  o Fatalista de Diderot , um livro inacreditavelmente contemporâneo. Este livro me acompanha desde que eu tinha 20 anos. A tradução não é ruim, acho que o Clube poderia ler. O livro tem um humor imperdível. Diderot era um gênio.
E assim, escrevendo , dentro de pouco a luz pintará o dia na mais linda aquarela. Moro no paraíso , a escolha de viver em Saquarema, assim tão por acaso, foi o maior acerto das nossas vidas, minha e do Juan.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário