quinta-feira, 30 de setembro de 2010

GOJAR

Ontem estivemos no pueblo de Gojar para tomar café com a minha sobrinha Maria José. O pueblo ainda tem uma parte antiga bastante conservada, é lindíssimo e a vista que tem da Sierra Nevada, um ângulo bem diferente da que temos aqui em Cenes, é privilegiada. A família da Maria José é bastante campestre. Passaram a manha na montanha recolhendo sacos e sacos de pinhas, com as crianças, para vender. Encheram uma camionete. Separaram umas pinhas para o Natal e Marta, com 9 anos e suas amiga, pintava pinhas no jardim para enfeitar a árvore de natal. Lobo, o pastor alemao, convive bem com as galinhas e Pablo, com 10 anos, tem uma casa secreta ninguém sabe onde. Eles andam pelo bairro, vao e voltam, nao há violência. Voltamos para casa quando caia a tarde, às 20.30hs e ver Granada do alto, de longe, é impressionante: parece uma jóia esparramada aos pés da imensa montanha. É uma das cidades mais bonitas do mundo.

Hoje arrumo as malas, amanha saio de casa muito cedo, de Granada direto até Saquarema: é muito céu. Os sentimentos sao desencontrados. Estou feliz em voltar para casa, tenho muitas saudades do Juan, das gatas, do Samuel e da Vanda, nossos caseiros-anjos da guarda , do jardim , e por outro lado, quando meu filho me abraça e meu neto me acaricia e sei que vou deixá-los, o coraçao se quebra...

Peço desculpas pela falta do til em todos ostextos que escrevi aqui na Espanha. Culpa do teclado espanhol.

5 comentários:

  1. Til???? Que til???? Quem lê vc não sente falta de til.....boa viagem de volta,minha querida.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Mas quem é que vai prestar atenção no “til” ao ler os seus relatos?
    Eu já estou, é sentindo muitas saudades deles. Quando estava triste (fiquei doente) eu fechava olhos e imaginava ouvir os sons dos sinos nas catedrais, parecia que eu sentia o perfume dos gerânios e quase tocava nas casas de pedra de Santiago de Compostela. Em outra vez eu atravessei a Ponte do Beijo em Luarca e, em outras vezes eu sentia, até o sabor dos cafés e doces que vocês bebiam e comiam lá.
    Foi extremamente gratificante para nós os seus leitores participar com você desta aventura compartilhando de suas informações.
    Com certeza, a Espanha é um belo país com um passado muito forte... Eu já não tinha nenhuma dúvida antes e agora,tenho menos ainda.
    Com uma taça imaginária, eu gostaria propor um brinde:
    “Um brinde à sua contribuição ao reino da leitura,as suas poesias que nos tocam no que temos de melhor, ao PROFESSOR LATUF, e as belezas da Espanha.
    Obrigada, por tudo Roseana. Pode deixar que no "til" a gente dá um jeito.
    Angela Quintieri

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Angela. Um brinde à vida!!!

    ResponderExcluir