sexta-feira, 28 de novembro de 2014

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

Quando os meninos e meninas da Escola Rural do Palmital aqui de Saquarema vieram aqui em casa (abro um parênteses para dizer que escolas deveriam ter nomes poéticos e não de pessoas pois nenhum aluno sabia quem era o senhor que nomeia a escola ) perguntei se eles brincavam do que eu brincava quando era criança.Algumas brincadeiras eles conheciam e outras não. O meu novo livro Brinquedos e Brincadeiras traz as brincadeiras que eu amava. Eu amava pular corda. Ai que inveja de mim pulando corda quando criança! Ganhava qualquer concurso.
PULAR CORDA
Se pudesse o menino pularia
     corda
com a linha do horizonte,
se deitaria sobre a curvatura
     da Terra
para sempre e sempre
     saudar o sol,
encheria os bolsos
de terra e girassóis.
Mas chove uma chuva
     fina

e o menino vai até a cozinha
     fritar ideias

Eu morava , bem pequena, num prédio com flores azuis. Aquelas flores que grudam na roupa, são lindas e nosso jardim está cheio delas. Eu amava as minhas bonecas e amava que me fizessem roupas novas para as bonecas. Amava as cestas de costura. Tocar nas linhas, nos botões, enfiar o dedo num dedal de pura prata, passar a mão no ovo de madeira para cerzir meias!!!!!! Na verdade não gosto nem um pouco desta nossa sociedade de consumo e desperdício! A gente usava as roupas até acabar e todas as coisas. Até as meias eram cerzidas.
CESTA DE COSTURA
Dentro da cesta
     de costura
da mãe e da tia,
     agulhas e
fios de linha
     colorida,
botões, rendinhas,
     dedal.
A boneca pede
e a menina obedece:
     Quero
um vestido novo,
     com manga
     e bainha.
A mãe ajuda,
corta o pano,
     costura.

E lá vai a menina
feito fada madrinha
da boneca de roupa nova.

E as cirandas? Não há nada mais maravilhoso e antigo do que brincar de ciranda. Todas as danças de todos os povos , desde o começo do mundo, têm alguma ciranda.
CIRANDA
Ciranda, cirandinha,
vamos todos cirandar,
enquanto ainda dá tempo,
a primeira estrela anuncia:
A noite já vai chegar.
Vamos dar a meia volta
de mãos bem apertadas
e corações entrelaçados,
volta e meia vamos dar.

O anel que tu me deste
era vidro e se quebrou,
o tempo parece de vidro,
há que carregar com cuidado,
o amor que tu me tinhas
era pouco e se acabou,
mas amor nunca se acaba,
meia-volta, volta e meia,
outro amor há de chegar.

Quem quiser comprar meu livro Brinquedos e Brincadeiras pode pedir diretamente à FTD ou em alguma livraria virtual. As ilustrações da Cris Eich são uma delícia. Faço este momento comercial porque muita gente me pergunta onde pode comprar o livro.
Pretendo fazer um lançamento aqui em Saquarema em março.

    

Nenhum comentário:

Postar um comentário